"“O amor é altruísta, é alimento para a alma. Quando se ama verdadeiramente, não importa onde e como você está. Sempre você irá praticar o bem pensando no seres amados.”"

quarta-feira, 19 de setembro de 2007


Ser que nunca fui Mia Couto

Começo a chorar
do que não finjo
porque me enamorei
de caminhos
por onde não fui e
regressei sem nunca
ter partido
para o norte aceso
no arremedo da esperança
Nessas noites
em que de sombra
me disfarceie
incitei os objectos
na procura de outra cor
encorajei-me a um luar
sem pausa e
vencendo o tempo que se fez tarde
disse: o meu corpo começa aqui
e apontei para nada
porque me havia convertido ao sonho
de ser igual
aos que não são nunca iguais.
Faltou-me viver onde estava
mas ensinei-me
a não estar completamente onde estive
e a cidade dormindo em mim
não me viu entrar
na cidade que em mim despertava.
Houve lágrimas que não matei
porque me fiz
de gestos que não prometi
e na noite abrindo-se
como toalha generosa
servi-me do meu desassossego
e assim me acrescentei
aos que sendo toda a gente
não foram nunca como toda a gente

Hoje estou me sentindo exatamente assim...
Marihá

2 comentários:

ana wagner disse...

Olá Mariáh! Teu blog é simplesmente encantador, assim como teus poemas. Sabes desvendar a alma feminina com graça e lirismo. Desculpa ir invadindo assim mas gostei mesmo de tua poesia. Um grande abraço.

lila disse...

oi mariáh, lindo seu blog, as fotos, música, tudo em perfeita harmonia. verdadeiramete nele reencotrei minha alma feminina, bj no coração

Gosto de ouvir

http://www.youtube.com/watch?v=5hzgS9s-tE8